quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Continuamos insistindo: redução de velocidade só funciona com uma série de ajustes e discussão envolvendo todos os participantes do trânsito

Está comprovado que a diminuição de velocidade nas Marginais Tietê e Pinheiros não traz o resultado esperado, pelo contrário, tira a mobilidade da cidade. Efeito maior seria percebido com uma série de ações conjuntas para que de fato a redução de acidentes e mortes diminuam.

Veja o que disse  Paulo Bacaltchuck, professor da Universidade Mackenzie e defensor de limites de velocidade maiores nas vias, para o portal Estadão... “não deveria ter pedestre, ambulante e ciclista andando na Marginal, que é uma via expressa projetada para carros andarem a 100 km/h. Essas passagens devem ser construídas segregadas, em pontes ou passarelas”. “As Marginais são a aorta, e a cidade tem de se movimentar", completou. 

O SindimotoSP preza pela vida e deseja menos acidentes e óbitos no trânsito, mas não pode apenas observar a categoria sofrer com os limites de velocidade impostos pela atual gestão. É preciso, no caso das Marginais e vias como as Avenidas Bandeirantes e 23 de maio, obedecer o que foi estipulado por estudos técnicos do Contran / Denatran, que determinou as velocidades quando se pensava que naqueles espaços apenas circulariam veículos. Ali, como em outras ruas que os índices de morte não caem, é preciso ter fiscalização da prefeitura contra ambulantes que colocam suas vidas e de outros em perigo e ações enérgicas, como construções de passarelas, melhor sinalização, campanhas educativas de trânsito etc.

O SindimotoSP também orienta que os motociclistas obedeçam os sinais de trânsito, dirijam com prudência, usem equipamentos de segurança, entre outros cuidados para evitar acidentes.

Ah, estamos de olho na promessa!


Nenhum comentário:

Postar um comentário