segunda-feira, 16 de maio de 2016

Crise financeira afeta setor de motofrete com demissões, queda no volume de entregas, nas vendas de motocicletas e peças para motos

País sofre com desemprego, reflexo de crise
Os dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS) indicam o fechamento de mais de 100 mil postos de trabalho com carteira assinada, que inclui o motofrete. “A situação não está boa, foram mais de 500 homologações entre janeiro e abril realizadas no SindimotoSP e, muitos dos trabalhadores não tinham nenhum outro emprego em vista”, relata Gilberto Almeida dos Santos, o Gil, presidente do SindimotoSP.
Motofrete está parado
Segundo levantamento divulgado pela associação, no primeiro trimestre deste ano foram fabricadas 227.426 motos, contra 360.187 unidades no mesmo período de 2015, correspondendo a uma redução de 36,9%. 
Consórcio de motos também registra começo de ano ruim
O sistema de consórcios teve queda em todos os indicadores para o setor de motos. O número de participantes ativos em janeiro foi de 2,83 milhões, total 6% menor que o do mesmo mês de 2015. As 85 mil novas cotas significaram recuo de 10,5%. 
Volume de serviços caiu segundo pesquisa do IBGE
O volume de serviços no país teve queda de quase 10% até aqui, na comparação com o mesmo período de 2015. Segundo dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os serviços acumulam queda superior de 5% no ano e de 3,7% no período de 12 meses.
Mercado de trabalho segue com dificuldades, aponta FGV
Dois indicadores de emprego apurados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) ainda não sinalizam uma mudança no mercado de trabalho, segundo a instituição. O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que permite aferir o estado atual do mercado de trabalho, recuou 0,2%, para 97,5 pontos. Esta é a terceira queda consecutiva do indicador, apontando acomodação da taxa de desemprego neste primeiro trimestre.


Nenhum comentário:

Postar um comentário