quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Ministros de Estado, UGT e SindimotoSP reúnem-se em São Paulo

Governo federal, UGT e SindimotoSP trabalharão em conjunto para buscar melhorias no setor.

O SindimotoSP participou nesta quarta-feira, 05/08, na sede da UGT, de reunião com os ministros Miguel Rossetto da Secretaria-Geral da Presidência da República e Carlos Gabas da Previdência Social. No encontro, o presidente do sindicato dos motociclistas profissionais, Gilberto Almeida dos Santos, o Gil, solicitou as autoridades incentivos em âmbito federal para a regulamentação das atividades de motofrete e mototaxi. Ricardo Patah, presidente da UGT, promoveu o encontro e reforçou o pedido.

Leia mais aqui.

Em ofício entregue aos ministros, SindimotoSP cria agenda positiva de trabalho.

Na reunião, o SindimotoSP entregou documento com objetivos que precisam ser observados para que o setor avance na regulamentação. Ao criar normas, resoluções e leis, todos as cidades serão obrigadas a implementar a regulamentação. No ofício estavam as seguintes reivindicações:

  1. Linha exclusiva de financiamento federal para motofretistas com juros reduzidos para compra de moto zero padrão motofrete e equipamentos de segurança;
  2. Normatização, regulamentação e sinalização de faixas de segurança em âmbito federal;
  3. Parceria com o governo federal na qualificação dos motofretistas para realização de mais cursos 30 Horas do Contran gratuitos, além da criação da modalidade Ensino à Distância (EAD);
  4. Campanhas de orientação para criação de leis que incentivem a regulamentação nos municípios brasileiros que possuem motofrete ou mototaxi;
  5. Implantação do Programa de Proteção ao Motociclista – PPM – para contribuição da redução de acidentes, auxiliando assim a campanha Década de Segurança 2011-2020 da ONU.
  6. Intervenção imediata da Secretaria-Geral da Presidência da República no sentido de pedir agilização da parte do Ministério do Trabalho para derrubar as liminares que estão impedindo os trabalhadores da Abir, Confenar (AMBEV) e Empresas de Logística da Distribuição, receberem a periculosidade.










Nenhum comentário:

Postar um comentário